NegóciosEconomia & Negócios

Com retomada econômica e juros baixos, mercado imobiliário é aposta para investimentos em 2020

A retomada econômica do setor, que deve crescer acima do PIB neste ano, e o cenário de juros baixos faz com que os imóveis voltem a ser uma das melhores opções de aplicação e retorno no longo prazo.

O ano de 2020 começa com um novo cenário para investimentos financeiros no Brasil. Após um triênio de recessão econômica e juros altos - o que reforçou a opção em aplicações de renda fixa - a tendência agora é de uma diversificação de investimentos para outros fundos e, em especial o mercado imobiliário, que vem se recuperando da crise e irá crescer acima do PIB neste ano, apontam especialistas.

Em 2019 já foi assim: segundo dados do Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon) de São Paulo, o setor teve expansão de 2% no ano passado, com 42 mil novos empregos gerados - para 2020, a perspectiva de um crescimento de 3% em 2020. Além disso, o Brasil conta hoje com a menor taxa básica de juros de sua história: em apenas três anos, a Selic caiu de 13% para 4,5% - e com tendência de queda, o que deve estimular os investidores a buscar opções com maior rentabilidade no médio e longo prazo. Estima-se que um terço do total das aplicações brasileiras, a partir de agora, irão perder para a inflação projetada para 2020.

De acordo com a pesquisa FipeZap do terceiro trimestre de 2019, 38% dos entrevistados esperam adquirir um imóvel nos próximos meses (88% para moradia própria e 12% para investimento). 

"É um novo momento para o mercado imobiliário, em um contexto muito diferente daquele do início da década. Agora estamos retomando o ritmo de crescimento no país, as taxas de juros para crédito imobiliário estão mais baixas e as opções de investimento mais convencionais não são tão atrativas, já que a rentabilidade dos fundos de renda fixa desabou com a redução da Selic. Assim, um investimento variável de longo prazo em um setor que projeta expansão, como o imobiliário, se torna muito mais atrativo", avalia o empresário Celso Furtado de Mendonça, diretor da incorporadora Furtado de Mendonça, que inaugurou recentemente a segunda torre do Techno Towers, localizado no "berço" do setor de tecnologia de Florianópolis. Em poucos meses desde o início das operações, 50% das salas já estão ocupadas.

O projeto deve contar, nos próximos anos, com outras quatro novas torres, numa perspectiva de expansão com base no bom desempenho do setor de tecnologia e de serviços na região, hoje um dos principais polos do país. Em pouco mais de cinco anos, o número de empresas de TI na Grande Florianópolis mais do que dobrou, aponta o estudo Acate Tech Report 2019, e essa expansão tem atraído um público qualificado para trabalhar e viver na região.

"Em poucos anos, tivemos uma ocupação completa do primeiro prédio, que hoje conta com mais de 1,2 mil pessoas trabalhando e circulando no local. Com a segunda torre, esperamos dobrar esse volume Mais do que adquirir um imóvel, que naturalmente se valoriza ao longo do tempo, o que um investidor busca é entender o potencial de valorização de todo o entorno", calcula o empresário. Essa perspectiva reforça o potencial de valorização do investimento a longo prazo. “A rentabilidade da locação era inferior em comparação ao patamar de juros básicos praticados nos últimos anos. Hoje a situação mudou e este investimento em locação vem se tornando cada vez mais atrativo ao investidor". 

No novo prédio, já estão empresas com alto potencial de crescimento, como a startup Progic, que desenvolve uma plataforma de tecnologia em nuvem para comunicação interna de grandes e médias companhias. A cooperativa Cresol, que já ocupa um andar no primeiro prédio do Techno Towers e está em franca expansão, também tem espaço reservado na segunda torre. Outras empresas que mudaram as operações para o empreendimento são a agência de marketing digital e e-commerce Avanti (com unidades em São Paulo e Campinas) e a Simple Organic, que produz e comercializa cosméticos orgânicos e está expandindo pelo país por meio de franquias, presente hoje em 15 cidades de oito estados brasileiros. "O novo cenário econômico é muito favorável para este tipo de investimento", comenta. 

Ao todo, a segunda torre disponibiliza salas em seis pavimentos e ático, com área de 24m2 a 62m2 e flexibilidade de layout que permite um espaço único de até 650m2 no mesmo andar - a infraestrutura, de alto padrão, dispõe de cabeamento estruturado, sala de servidores blindada, isolamento térmico-acústico, gestão de resíduos e paisagismo natural.

Os sinais de retomada foram sentidos em outro empreendimento da incorporadora, o Shopping Casa & Design, pioneiro no setor de decoração e design em Santa Catarina. Em poucos meses, o espaço recebeu uma série de novas operações, tanto nas lojas de decoração e utilidades domésticas quanto no mix gastronômico. "Percebemos uma virada definitiva no mercado nos últimos 12 meses. E isso tende a se refletir como uma oportunidade cada vez mais clara de investimentos, fortalecendo a cadeia da construção civil na região", comenta o empresário.   

Assine nossa Revista

Garanta sua assinatura e receba a revista em casa!