NegóciosAssociativismo

Das seis empresas do Alto Vale já beneficiadas com o Projeto Serra Catarinense da SCGÁS, cinco são associadas à ACIRS

Das seis empresas do Alto Vale já beneficiadas com o Projeto Serra Catarinense da SCGÁS, cinco são associadas à ACIRS

A Associação Empresarial de Rio do Sul defende a ampliação da oferta do produto e monitora as obras de ampliação da rede de distribuição

Por conta da extensão de rede e dos investimentos expressivos, o Projeto Serra Catarinense da SCGÁS ganha lugar de destaque no cenário Nacional, considerado o maior projeto de infraestrutura de gás natural do Brasil. Com a ampliação da rede de distribuição até Lages, entre os objetivos está a interiorização da oferta ou “deslitoralização” como também é conhecido o processo, facilitando o acesso às regiões mais distantes, contribuindo com o desenvolvimento e atraindo novos investimentos.

O Alto Vale está contemplado e, conforme a rede chega na região, a SCGÁS faz um mapeamento de potenciais clientes. Em Rio do Sul a rede chegou em 2016 e deve atravessar ao todo 15 municípios, incluindo Indaial, Ascurra, Rodeio, Apiúna, Ibirama, Laurentino, Agronômica, Trombudo Central e Pouso Redondo.

No Alto Vale, das seis empresas que fazem uso ou comercializam o gás natural por meio da rede da SCGÁS, cinco são associadas à Associação Empresarial de Rio do Sul – ACIRS: Pamplona Alimentos, Paintech, Posto R4, Casa do Pão e Bonevau. Está última, instalada em Laurentino, foi a indústria de número 300 a ser atendida em Santa Catarina.

“Nós, na Associação Empresarial, entendemos que essa é uma matriz energética importantíssima para a região. Aumenta a competitividade, reduz custos e faz com que as indústrias tenham a inovação na sua capacidade produtiva. O que atrai investidores e cria cenários futuros para a melhoria do parque fabril regional”, ressalta o presidente da ACIRS, Eduardo Schroeder.

Um levantamento aponta que até agora foram construídos e colocados em operação 80 quilômetros de rede. Outros 34 quilômetros, entre Rio do Sul e Pouso Redondo, estão em fase de construção, e mais 116 quilômetros é a extensão de rede a ser construída para chegar até a cidade de Lages, na Serra. Desde 2013, quando iniciaram as obras, até julho deste ano foram investidos no projeto mais de R$ 126 milhões.

Os números reforçam que o mercado catarinense encontra no gás natural a competitividade necessária para a retomada diante da crise. De acordo com a SCGÁS, em setembro de 2020 foi atingido o recorde de distribuição da história, superando o anterior de outubro de 2018, chegando a um total de 63.933.302 metros cúbicos no mês, com média recorde também de 2.131.110 metros cúbicos dia.

Os dados mostram ainda que, após o início da crise provocada pelo coronavírus em março deste ano, o gás natural veicular (GNV) voltou a atingir patamares de consumo acima de 300 mil metros cúbicos dia.

"O gás natural tem se mostrado indispensável no aumento da competitividade e produtividade empresarial, na geração de emprego e renda e, consequentemente, para o desenvolvimento dos municípios catarinenses. Estamos expandindo a infraestrutura de distribuição no Alto Vale rumo à Serra, visando fortalecer ainda mais a economia e o mercado dessas regiões”, afirma o presidente da SCGÁS, Willian Anderson Lehmkuhl.

Assine nossa Revista

Garanta sua assinatura e receba a revista em casa!